sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Grind House Teaser Trailer

Tarantino e Rodriguez estão de volta - e juntos!!! Não poderia haver melhor notícia para tirar um pouco da depressão carnavalesca! Sensacional! Vejam o trailer, acima, e babem.

15 comentários:

RATO RUDE disse...

CARA SÓ VOCÊ PRA NOS TIRAR DESSE MARASMO SACAL QUE É O CARNAVAL, E SABENDO QUE MEU REFERENCIAL MUICAL FECHA COM UM CARA IRADO ,TARANTINO, SÓ ME RESTA ESPERAR UM CLIP DA PLEBE NOS PADROES IRADO DELE ..QUE TAL?

André X disse...

Seria sensacional! Tarantino filmando a Plebe, ha ha ha. Mas temos que ter cuidado para não pegar outro Marcelo Dantas pela frente, ha ha ha.

Ellen Petersen disse...

Tarantino?!?! Só André mesmo para sonhar tanto...

zé mendes disse...

Para mim o Rodriguez seria ainda melhor para se fazer o clipe de uma banda. A fotografia de um Sin City seria o sonho de qualquer um.

Os novos recursos digitais, que o Rodrigues usou em Sin City, permitem criar cenários fantasticos sem gastar milhões com efeitos especiais.

João disse...

Se não tem Tarantino, nem Rodriguez, então chama o Marcelo Dantas de novo e quem sabe ele faz uma dupla com o Zé Eduardo Belmonte. No Mais raiva do que medo tinha algo nos agradecimentos como "ao Marcelo Dantas pelo masoquismo"

Ellen Petersen disse...

Pô, André! Cadê o depoimento de hoje? Tarantino e Rodriguez é abstração demais! (Não significa que seja impossível, mas...)
A todos os plebeus fica o meu abraço.

zé mendes disse...

Ellen,

Se fosse Spielberg eu concordaria, mas com a nova tecnologia isso nem é sonhar tanto.

Pode não ser o Rodriguez nem o Tarantino, mas pode ser um diretor tão bom quanto. O grande diferencial do Tarantino e/ou Rogriguez, em relação ao Spielberg, é a criatividade em cima de orçamentos baratos.

E criatividade com pouco dinheiro outras pessoas podem ter tambem, basta uma boa idéia. O dificil mesmo é ter dinheiro.

Portanto, é possivel, basta filmar a plebe tocando na frente de um pano azul. O filme tosco então seria editado no computador, por algum talento local mesmo, e assim ficaria com uma fotografia tão espetacular quanto a do Sin City.

Os recursos para se fazer isso hoje são mais baratos. É possivel sim. Hoje isso depende mais do trabalho do que do dinheiro.

Ellen Petersen disse...

Ô, Zé! Não estou supervalorizando nenhum dos dois, entretanto, quando me referi ao Tarantino e ao Rodriguez, não foi exaltando algum eventual brilhantismo deles, mas sim pela maneira como eles se desligam da realidade (diferente do perfil que a Plebe propõe). Acho que por vc não me conhecer, talvez tenha entendido de outra forma a minha opinião. Mas valeu o toque, de qualquer forma.

zé mendes disse...

Então peço que me perdoe, Ellen. Eu havia entendido, vc teria dito, que Rodriguez / Tarantino seriam um sonho impossivel.

Na verdade, a minha intromissão foi mais uma tentativa de participar e colocar um idéia de otimismo. Com um bom computador e software de edição, em casa mesmo, hoje em dia se faz coisas incriveis e baratas.

E os plebeus tambem podem usar tecnologia digital, para se fazer o que for melhor, mais facil e mais barato.

MANUEL-SALGADO/SERGIPE disse...

Ellen e Zé Mendes, vocês deram o exemplo de como se conversa de forma produtiva e inteligente.

Ellen Petersen disse...

Que isso, Zé? Não precisa me pedir desculpas... Eu realmente me expressei de maneira muito vaga. Também acho que existam outros talentos - inclusive brasileiros - que sejam capazes de realizar coisas tão fabulosas como os supra citados. Mas, se fosse um projeto paralelo só do André, eu vestiria a camisa legal por ele. Todavia, mantenho minha opinião de pé que este não é o estilo da Plebe. Beijinho, Zé.

Ellen Petersen disse...

Manuel, vc é um fofo! Obrigada pelo elogio.

João disse...

Que Tarantino e Rodriguez, que nada! Sou mais a dupla Belmonte e Marcelo Dantas! Ou o Steve Eponto.

zé mendes disse...

É verdade Ellen. Eu que fui vago. Realmente, o estilo da plebe não é esse mesmo. Fiz entender que o negocio seria criar um mundo espetacular, atraves de super efeitos. Mas não seria bem isso. Deveria ser mais como voce falou: simplicidade e realidade.

Para banda de rock, muitas vezes é melhor filmar um show, fazer um documentário ou algo mais real. Quando entra estórias e roteiros, então fica dificil, é preciso tomar muito cuidado, senão, como diz o João, pode acabar em outro Marcelo Dantas.

Não sou um expert no assunto, mas conheço pouquissimos clipes de bandas, nesse formato de estória ou ficção, que eu tenha gostado. Não me lembro de nenhum agora.

E obrigado pelo beijinho. Outro para voce tambem!

zé mendes disse...

Para encerrar o assunto (não quero monopolizar os comentarios), eu gostaria mesmo de assistir um bom documentário da Plebe.

Queria ver um pouquinho da vida real de cada um, a historia da banda, algumas entrevistas inteligentes, os bastidores... Isso tudo seria intercalado pela banda tocando num show, musica por musica.

Se isso tivesse uma boa direção, daria um DVD bem longo e interessante.

Para os efeitos, tem um filme (de um mexicano, acho que é o Rodriguez mesmo) que as imagens, de acordo com o lugar, mudam de tonalidade. Quando as cenas são em Washington, a imagem fica meio azulada. Quando é no Mexico, fica meio amarelada...

Num documentário dá para fazer isso. Para o passado pode ser preto e branco. Para as cenas da vida real pode ser meio azulada. Nos bastidores amarelada... E por aí vai (criando um clima visual diferente para cada parte).