segunda-feira, maio 19, 2008

Winston Smith




Vocês conhecem Winston Smith? Alguns afirmarão que sim, e estarão certos. Outros, com a mesma resposta positiva, errados. Outros, mais atentos, devolverão a resposta: qual deles?

Realmente há dois Winston Smiths que todo ser humano que questiona nossa existência no planeta deve conhecer. Um deles, é o personagem de 1984, livro de George Orwell escrito em 1948 sobre um futuro sombrio onde governos mantêm um controle total, incluindo espionagem dentro de cada casa, sobre seus governados. Uma guerra baseada em falsos argumentos é mantida ad-infinitum (lembra alguma coisa?). Smith quer fugir de tudo isso, mas o Grande Irmão (Big Brother) está de olho nele. Se ainda não leu, jogue fora o que está atualmente lendo, pois esse livro certamente vale muito mais a pena.

Não é desse Winston que estamos falando, mas sim do segundo, que emprestou o nome do romance orweliano, o Winston Smith designer do underground, porta-voz dos independentes, que tornava vivos nossos pesadelos da Guerra Fria em formas de lindas colagens visuais. Tinha um época que somente os fãs dos Dead Kennedys conheciam o trabalho do Smith, que fez todas as capas, logos e imagens visuais da banda. Hoje, o artista já entendeu seus tentáculos para outras áreas, trabalhando em revistas mainstream (Spin) e ilustrando livros que não tratam de música. Tudo isso sem perder a coerência (lembram do posto láááá da semana passada?).

Convido vocês a entrarem no seu site e se deliciarem com as colagens subversivas de Winston Smith. Se ficarem bastante interessados, aproveitando que o dólar está lá em baixo, encomendem os livros Act Like Nothings Wrong (eu tenho e fica na estante da sala, em posição de honra, onde antigamente minha avó guardava a Bíblia) e o novo Artcrimes (que vou encomendar, ah se vou!).

O interessante é que, após conhecer sua obra, dá a maior vontade de sair fazendo colagens. Se fizerem alguma, mandem para o meu e-mail. Sonho: Winston fazer uma capa da Plebe!

8 comentários:

Anônimo disse...

Pensava que seu sonho era: show(s), musicas novas e dvd.

Capa de que?
Há algo de novo?
Capa sem o disco?

Renata disse...

Quando minha foto-novela de colagens estiver pronta te envio.

anonimo 2 (sem cobranças) disse...

Tenho aqui o ArtCrimes, é muito bom. Tem os "Nazis On The Moon" e varias outras colagens hilárias.

De qualquer modo, o que eu gostaria de te dizer é o seguinte: parece que o Winston Smith influenciou uma nova geração de grafiteiros europeus. Hoje existem artistas de rua muito inteligentes e bastante subversivos. Não é mais aquela babaquice narcisista de gang otária de hiphop.

Como falei anteriormente, dou destaque ao Bansky, um grafiteiro de identidade desconhecida, procurado pela policia, que pinta imagens sensacionais pelas ruas de Londres.

O sucesso do Bansky foi tão grande que ele passou a pintar gravuras em quadros. Algumas obras foram arrematadas em leilões, por milhões de libras.

Inclusive, os desenhos do Bansky podem ser usados em capa de disco, sem pagar copyright. Ao contrario das colagens do Winston Smith, tais pichações não tem autor definido, são de dominio publico.

Anônimo disse...

Errei: o nome certo é BANKSY

dg disse...

Bom, do George Orwell, li "A Revolução dos Bichos" e percebo que junto ao "1984" e dependendo da referência, também são aconselhados as leituras de "A Sociedade do Espetáculo", "Admirável Mundo Novo" entre outros.
Só acho que livros, mesmo em sebos ou feiras, são muito caros!
Aliás, a cultura nesse país é artigo de luxo, surpérfluo! Só para quem já resolveu o problema da comida...

dg disse...

Olha,muito obrigada pelo convite. Valeu muito passear pelos desenhos. É mesmo um sonho ter um trabalho original dele.

dg disse...

A dica do anônimo tb é muito boa. No Brasil, mais em SP e há algum tempo, trabalhos como o do Banksy, são conhecidos como INTERVENÇÃO URBANA e acho que até lembra o que a Plebe já fez para divulgar os shows(antigamente...)

anonimo 2 disse...

Pois é dg, acredito que tais "intervenções urbanas" são a arte contemporanea do seculo 21. Se me perguntarem qual é a arte mais moderna hoje em dia, eu diria que são esses bons grafiteiros europeus.


Além disso, a rua é uma midia bem democratica e popular, otima para mandar recados subversivos, Na rua não precisa de grana, esquema babaca de galeria nem jabá.

Só não pode pintar letras escrotas e simbolos de merda, coisa que os pichadores idiotas costumam fazer por aqui.

Enfim, para o X que gosta de fazer camisetas e capas de disco, está aí uma otima fonte de idéias. O melhor é que isso é copyright free, dominio publico totalmente gratis.