quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Plebe em Salvador - 23/02/2009





Viva os celulares! Viva a tecnologia digital! Graças a esses avanços, posso postar aqui três vídeos caseiros do nosso memorável show em pleno carnaval baiano. Tocamos em Salvador na segunda-feira, dia 23 de fevereiro, no Palco Rock, praia de Piatã.
Sabemos o sacrifício que foi conseguir da Secretaria de Cultura algum dinheiro para realizar o festival – que já está em sua 15ª edição. Afinal, o que atrai gente para Salvador no carnaval são os trios elétricos, o axé e outras folias. E como atraem! Para conseguir nos levar à capital baiana, foi preciso um vôo até Guarulhos e outro até Salvador. Na volta, um pinga-pinga, passando pelas principais cidades nordestinas. Não havia hotel disponível, então a produção (que merece nota 11, de 10) alugou uma casa para todos os artistas. A casa tinha dois andares, o de cima foi nosso. Essa história que baiano não trabalha é invenção de sulista. O pessoal da organização, da casa, da produção trabalhou muito.
O show foi impecável. Também, com um público desses! Salvador tem um lugar muito especial na história da Plebe. Nosso primeiro show, após o lançamento do Concreto, foi lá, no Teatro Vila Velha. Os plebeus presentes, com seus depoimentos, carinho e conversa, só nos fizeram realizar mais fortemente isso. Leiam aqui uma crítica do show.
Não tenho fotos, minha máquina quebrou, o Philippe não levou a dele. Mas certamente, nesses tempos digitais, algumas aparecerão.

10 comentários:

Stefano disse...

Parabéns, André!!! Parabéns, Plebe Rude!!! Vocês foram magníficos no Palco do Rock!!! Assisti o show!!!

Translúcida disse...

O show foi mais que excelente, e a atenção que vocês me deram na passagem de som foi....sem comentários. Obrigada pelos autógrafos, amanhã estou te enviando as fotos que tirei da passagem de som...

Sua fã inabalável...
Carla - vocal da banda Biscó...
Sucesso!!!

Anônimo disse...

O Projeto Plebe Rude in the Rotts continua este ano?

Gustavo Pontas disse...

Show perfeitão!!!...já tô com uma saudade imensa! Não pude tirar fotos também, pois emprestei minha câmera pouco antes de saber do show, mas vou tentar conseguir algumas aqui. Infelizmente não pude ficar pra trocar uma idéia no final.

Ah!...escrevi um comentário sobre o show no meu blog ( http://oventonaescuridao.blogspot.com/ ).


Grande abraço, Mister X.

Josinelson da Cinha disse...

Não gosto de axé. Acho que é batucada chata e frenética, sem groove nenhum. No axé existe uma influencia brega da lambada caribenha, coisa que deturpou o velho espirito de Dodo e Osmar (mais ligado ao frevo).

Porém, assisti uns pedaços do trio eletrico da Daniela Mercurry, na Band, e gostei do que vi.
A Daniela é experiente, profissional e sabe cantar. Como pessoa, tem uma certa luz,

No trio eletrico dela, tinha belas dançarinas e boas backing vocals. O trabalho foi louvavel.
O chato eram os cliches do axé, aquele ritmo chato dos tamburetes baianos, coisa que não muda nem evolui há muito tempo.

Se fosse eu na criação e produção musical, refinaria as batucadas para um estilo reggae/dub acelerado. É preciso puxar um groove de macumbeiro, acompanhado por baixos sintetizados bem poderosos, tudo inspirado no drum n' bass da pesada. Então, assim o negocio ficaria muito bom.

Ou seja, só falta sair da mesmice e dar uma modernizada. Tem que colocar mais groove e tecnologia no negocio. Pode inclusive entrar numa alquimia de house music, com timbres e sonoridade mais modernos e elegantes.

A Bahia é muito musical. Tem uma industria e mercado fortes. O povo lá tem energia e disposição. Para modernizar a coisa, só falta um bom intercambio com bons DJs e produtores ingleses

Hoje já vemos os baianos tocando com boas guitarras importadas, sintetizadores digitais (cafonas) e bons equipamentos, mas ainda falta evoluir nos timbres, no bom gosto e no groove.

Enfim, o Chiclete com Banana, esse não tem jeito. Mas a Ivete, Claudinha e, principalmente, a Daniela, essas podem ter salvação sim, Pelo menos são bonitas.

Anônimo disse...

Porra, sou Josinelson da CUNHA

ze mendes disse...

Não estava lá, mas acredito que, por osmose, a Plebe absorveu a intensa energia do carnaval baiano. Por isso, realmente, deve ter sido um show excelente, algo historico e memoravel para X e Phillipe.

Anônimo disse...

Não, a verdade é que X vai passar a lima nos manés (e faz ele muito bem)

Nina disse...

porra velho!!que show foi esse??
de fudê!!vcs são demais!!estou com fotos aqui!!mando pra qual e-mail?
abração!
Nina Guerra

Jonatas disse...

Fantástico, a Plebe continua Rude o suficiente para com sua mensagem acordar a galera dessa letargia musical brasileira. Parabéns a organização quase que impecável, mesmo com tantas dificuldades de fazer rock numa terra onde os roqueiros cada dia ficam mais sedentos de grandes espetáculos. PLEBE sempre RUDE, pelo amor de Deus! Show!