quinta-feira, junho 21, 2007

Negócios da China!


Uma péssima notícia para o mundo: a China, ontem, ultrapassou os EUA como o maior emissor de gás carbônico do planeta. Hoje, a emissão de CO2 dos chineses é 8% maior do que a dos americanos. A política chinesa – muito parecida com a americana – de primeiro desenvolver para depois se preocupar com o meio ambiente pode não deixar um depois para se preocuparem. O efeito estufa é uma realidade, está entre nós, e vai piorar. Procurem uma notícia sobre a Índia que saiu semana passada: uma região teve temperatura recorde de 52 graus Celsius. Centenas morreram. Vai piorar. A ganância desses capitalistas é um poço sem fundo. Desses socialistas também.

Enquanto isso, se preparem, vamos sofrer muito, pois não há sinal de que os dois emissores irão parar seus planos de expansão econômica para salvar o planeta. E o pior é que quem vai sofrer primeiro não serão eles, mas inocentes que nem estão se beneficiando de seu desenvolvimento, como os indianos mencionados anteriormente.

Ninguém está buscando um modelo alternativo. Ninguém está querendo pisar no freio do desenvolvimento insustentável. Ninguém estará aqui para contar a história quando verões baterem 70 graus, quando Ipanema deixar de existir, quando o ártico derreter, quando doenças virais contagiarem o planeta, quando a Amazônia virar deserto, quando milhões passarem fome, quando a raça humana for dizimada....

4 comentários:

Vagner disse...

Aê André,

Sem querer ser chato, mas olha o que vc escreveu há seis meses atrás:

O interior da China era muito parecido com o Nordeste brasileiro em 2001. Muita gente pobre, sem qualificação profissional, vivendo de favores de governos e oligarquias locais. Hoje em dia, é a maior concentração de fábricas estrangeiras, que fazem de tudo, desde peças para automóveis até a programação básica da Microsoft. Foram-se as oligarquias, entraram os investidores estrangeiros, proporcionando um salto de qualidade de vida jamais vista em toda história daquele grande país.

Os líderes chineses sacaram que não compensava ficar isolado do mundo, pelo contrário, queria não só fazer parte dele, mas entrar competindo, fazendo sentir a sua presença. Em 1977 (grande ano!) o líder chinês Deng Xiaoping declarou que “enriquecer é glorioso”, colocando a China no mapa da economia global. O plano não era simplesmente servir como repositório de mão-de-obra barata para o ocidente, mas sim aprender e vence-los no próprio jogo. Mas mesmo no começo, sendo repositório de mão-de-obra barata, já ajudou muito o povo antes pobre, agora com emprego, dinheiro e dignidade.

Tinham um plano por trás da abertura econômica. Para tanto, estão munindo seus jovens com as competências necessárias para competir de igual para igual com o resto do mundo, construindo infra-estrutura, desburocratizando, principalmente leis trabalhistas, e, mais importante, criando incentivos para investidores estrangeiros. O objetivo é que na próxima geração, os produtos não sejam somente “made in China”, mas sim “created in China”. E eles vão chegar lá. A consolidação do plano foi a entrada do país no OMC, em 2001.

Aqui, o máximo que conseguem é dar bolsa-família e um programa falido chamado Fome Zero. Iniciativas que nunca vão colocar o Brasil no mapa econômico, deixando os coitados nordestinos à mercê das oligarquias e Estado paternalista. Ou seja, gerações e gerações de pobres pela frente. E mandatos mais mandatos de presidentes, governadores e prefeitos populistas. Com nossas leis trabalhistas, judiciário ineficiente e falta de investimentos em educação e infra-estrutura, os únicos que vão querer investir aqui é a Venezuela de Chaves, plantando banana, e o Paraguai, vendendo produtos falsificados. Nada que agregue valor ao brasileiro.

Hoje, o interior da China tem cidades imensas, com mais de um milhão de habitantes, todos empregados e satisfeitos. Seus filhos vão à escola e têm um futuro promissor pela frente. Lula tem muito que aprender com a China. Mas será que ele quer? Ou prefere ficar puxando saco de países africanos subdesenvolvidos e ficar abraçando o Kadafi?

http://xdaquestao.blogspot.com/2006_11_26_archive.html

André X disse...

Vagner, não vejo o que uma coisa tem a ver com a outra. Não sou contra o desenvolvimento, acho que os mercados têm que ser abertos - objetivo do posto que vc reproduz, acima. Só que é possível crescer e preservar o planeta (leia o livro do meu pai, he he he, plim-plim). Crescer, sempre. Destruir, nunca. Continua válido o que Deng Xiaoping falou: enriquezer é glorioso. Fazer isso mantendo as condições de vida no planeta, fundamental, pois qual o objetivo de ter uma Terra rica mas inabitável?
A desburocratização, o repensar das leis trabalhistas, a abertura do mercando não afeta o meio-abiente, per si (pode afetar se não pensarmos nas consequências).

No mais, valeu por recuperar esse post, pois os dois estão interligados.

Abraço.

kiloton disse...

André,

Ainda hoje eu li uma materiazinha mediocre da Isto É, sobre aquilo que o seu pai deve entender muito bem: a "eco economia". A Isto É chama os economistas, que defendem a tese da ecologia na economia, de "trupe quixotesca" (palhaços malucos) .

Acontece que está na cara: o mundo precisa parar de crescer. Mas o "agronegocio" e os empresários pilantras, defendidos pela midia monopolizada asquerosa, coisa que o povo bundão sempre repete, pois gostam de "musica conhecida", aqueles que seguem a lei de Gerson e que só pensam em dinheiro, esses acham isso um absurdo.

Todo mundo que tem vergonha na cara sabe que esse crescimento tem seu limite nos recursos esgotáveis do planeta.

Para os eco economistas, a acumulação de riqueza não é o objetivo. O objetivo é o bem estar e a felicidade. Não adianta crescer e enriquecer para acabar morto, para acabar com o mundo todo. Mas os babacas do crescimento e lucro sem fim, esses acham isso tudo um absurdo.

Na minha opinião, o Brasil não precisa crescer. O Brasil tem é que diminuir a população de miseráveis, que se reproduzem irresponsavelmente. Não adianta crescer no parque industrial e nos latifundios de cana, de poucos empresários pilantras e exploradores, é preciso crescer na qualidade de vida das pessoas, sem poluir, favelizar e destruir mais do que já vem acontecendo.

De qualquer modo, com esse artigo que voce escreveu, com as minhas lutas contra cataventos, os ruralistas e empresarios picaretas diriam que voce é outro "ecologista boióla", é mais um "ambientalista maconheiro doidão".

Mas a realidade é que, eu mesmo, em menos de 30 anos, vi o cerrado ser destruido. Nada disso para mim é novidade, venho falando isso há quase 30 anos. Riram muito da minha cara, já me chamaram de bichinha, maluco, idiota e etc .

Já escutei muito desaforo de gente ignorante e babaca, acho que voce tambem vai escutar. Mas acredite no bem e não se intimide. Voce está no caminho certo, continue assim.

kiloton disse...

Vagner,

Pode ser que o André tenha dito outra coisa antes e depois mudado de idéia. Pode ser que tenha se arrependido ou se informado melhor sobre as consequencias do crescimento alucinado do mundo.

Mas nada disso é motivo para voce criticar a posição honesta, decente e acertada que o André tomou agora.

No caso do Brasil, não adianta a Globo defender o "milagre do crescimento", pois isso é para poucos, é para o beneficio de empresarios e latifundiarios predadores.

Por exemplo, alguem aqui já viu os beneficios do Mercosul? Pelo menos comeram um alfajor argentino (alguem sabe o que é isso?)

E geração de emprego de cú é rola, pois para eles é tudo mecanizado, robotizado e mal pago. O cortador de cana ganha R$5 por tonelada cortada. Que maravilha moderna do etanol é essa? Eu já vi esse filme antes.

Na verdade, querem promover o crescimento de lucros dos exploradores safados, dos ruralistas latifundiários, que não distribuem renda direito, que pagam uma merreca para a sua mão de obra miserável. Esse que é o Brasil que temos.

E não vai ser poluindo, desvastando e favelizando o Brasil ainda mais, para o lucro de poucos, como eles vem fazendo há seculos, que as coisas vão melhorar por aqui.

Isso que temos na Globo não é crescimento, isso é deixar que os pilantras predadores roubem e destruam o nosso país, para ganhar dinheiro nas costas dos trouxas.

E o caso da China, a gente periga se tornar uma neo colonia de merda, pois o agronegocio dos ruralistas latifundiários, para suprir a gigantesca demanda chinesa, vai acabar com toda a biodoversidade, vai meter transgenico, agrotoxico, gastar toda a agua e desertificar tudo.

O crescimento da China é uma grave ameaça para os nossos recuros e materia prima. Goiais inteiro já virou plantação de soja.

Enquanto isso, o povo fodido continua fodido, os ruralistas andam de SUV importada, a seca se prolonga, o recorde de calor é quebrado.

E isso vai piorar muito mais, pois vão sugar todos os nossos recursos, vão explorar a miséria e deixar o lixo todo aqui. O lucro disso fica no bolso de poucos, lá no off shore.