segunda-feira, maio 21, 2007

No Sleep till Baurú - Lasqueira!





O Txotxa é um cara tão inabalável que parece budista. Está sempre na dele, de bom humor, sereno. Quando começa a balburdiar “lasqueira” sabemos que algo está errado, pois se o problema conseguir alterar o seu imperturbado mundo, é que é grave.

Nessa viagem para Bauru, acho que além de umas duzentas lasqueiras, devo ter ouvido vários outros adjetivos não comuns saídos da boca de nosso baterista. De meus vinte e poucos anos de estrada, essa foi, definitivamente a pior viagem que a Plebe já fez. O show, em contraste, foi excelente, mas a logística de ida e volta foi catastrófica.

Começou assim: seis da manhã de domingo, encontro o Philippe debaixo do meu bloco e partimos para o aeroporto, onde pegamos um vôo para Congonhas. Na porta do desembarque, encontramos o Felipão que avisa: o microônibus está lá fora, é bom vocês aproveitarem para usar o banheiro daqui. Isso não é bom sinal, significa que o veículo ou não tem banheiro, como não tinha, ou não está em condições de ficar parando na estrada, como também não tinha.

O ônibus faria a Família Adams querer entrar para uma seita evangélica. Um horror, sem espaço dentro para a banda, o equipamento, as malas e, ainda, um co-piloto que não pilotou nada. O painel estava remendado com durex e o velocímetro não funcionava. Não tinha suspensão, então sacudia mais que a Wilza Carla fazendo cooper pelada. O espaço entre um banco e outro era milimétrico, não cabendo as pernas nem do pequeno Júnior. Tinha um buraco na porta por onde entrava fumaça liberada pelo motor penando por uma recauchutagem mecânica. Obviamente, não tinha ar condicionado, ficando insuportavelmente quente de dia e articamente gelado à noite. A porta automática estava quebrada, necessitando abrir um trinco, que só abria para quem tinha as manhãs - e não eramos nenhum de nós! Além de desconfortáveis, os bancos eram apoiados em pedaços de madeira para não despencarem.

O motorista e o co-piloto eram uma obra de arte à parte. Torciam enquanto o ônibus se esforçava para transpor as subidas e sorriam quando conseguia pegar algum embalo na descida. Vi várias lesmas e tartarugas ultrapassarem a gente durante o trajeto. Cada vez que perguntávamos quanto tempo faltava para chegar, respondiam uma hora. Na chegada de Bauru, ficaram minutos dando várias voltas no balão na entrada da cidade tentando descobrir qual rua pegar. Finalmente, tiveram a grande idéia de escolher uma com uma placa gigante escrita BAURÚ e chegamos em nosso destino.

Ou pelo menos achávamos que tínhamos chegado, pois o hotel que constava dos papéis do Felipão não tinha os nossos nomes, as reservas tinham sido canceladas. Enquanto comíamos um churrasco requentado (já eram 15 horas!), o Felipão consegue descobrir o nosso verdadeiro hotel, se é que pode ser chamado disso. Mas tudo bem, depois do check-in, avisam que dispúnhamos de somente uma hora para descansar pois o show não podia esperar.

Fazemos o show com olho no relógio. Para a equipe técnica tinham marcado um vôo que saía à um da manhã de Guarulhos, e era importante sair na hora certa, ainda mais, tendo em vista nosso transporte. Durante o show, o Felipão ficava: só mais cinco minutos, só mais dois minutos. Cortamos várias músicas, mas não o tanto para comprometer a apresentação, que foi dez. Mais sobre o show em postagens futuras.

Descemos do palco, direto para o ônibus e pé na estrada! Literalmente, pois um pneu estourou e ficamos ilhados à beira da rodovia com uma frota de caminhões passando do nosso lado. Foi um estouro mesmo, quase capotamos. Olhando para trás, parece brincadeira, mas por uma economia besta na contratação do transporte, poderíamos ter morrido.

Claro que o equipamento disponível para troca de pneu era inoperante. Ficamos horas até um solidário caminhoneiro parar para nos auxiliar. Tudo em cima, olhamos o relógio e achávamos que daria tempo ainda de chegar à Guarulhos para o vôo da equipe. Só que o motorista se perdeu, pegou atalhos cheios de buracos – e dá-lhe sacudir o esqueleto! Ainda, todos com fome e sem poder parar para comer. Desovamos o pessoal com destino ao Rio às uma e cinqüenta e seguimos para SP, onde o Clemente ia para casa e nós três, Txotxa, Philippe e eu, dormir umas horas no Íbis, em frente à Congonhas, para pegar o vôo das 6h30min para Brasília.

Quando chegamos no hotel, 3 da manhã, descobrimos que não havia a reserva do quarto triplo! Alguém tinha até ligado para fazê-la, mas como não quis deixar o número do cartão de crédito a reserva caiu. Sorte nossa que tinha ainda um quarto duplo livre, para onde nos dirigimos. O Txotxa dormiu no chão, o Philippe e eu na cama de casal – sem piadas, por favor. Na hora do banho, outro problema: sendo um quarto duplo, o terceiro ficaria sem toalha ou usaria uma molhada. Não fui eu!

Acordamos às 5h10min, seguimos para o aeroporto. Qual a nossa surpresa que estávamos reservados num vôo da BRA com duas escalas até Brasília! Com tanto vôo direto, nos colocaram num equivalente ao nosso microônibus! E ainda por cima, parava no Rio! A equipe poderia ter voltado com a gente, evitando todo aquele transtorno e estresse de ontem!

Chegamos exaustos, cansados e putos. Lasqueira!









18 comentários:

henrique8324 disse...

André sou solidário porque já toquei em banda e sei que é foda.só pra resumir numa ocasião tocamos num palco que "dançava" conforme os riffs dos ramones eram executados.
Carlos Rato

VladPatiphe disse...

issaaaa.
viagem tosqueira sound system.
o melhor mesmo foi conseguir embarcar depois na aeronave.
era 1:55 o embarque... e essa hora estávamos ainda na marginal tietê... que tosco esse motora.
mas o show foi dukacete mesmo... essa virada cultural foi fueda.

André, depois procura por PINBACK e SYSTEMS OFFICER... puta linha de baixo. São dois irmãos.

abração pra geral.

Anônimo disse...

André, vc já pensou em ser cronista?

eremilton disse...

Deve ter sido por causa disso aqui:

http://www.diariodemarilia.com.br/site/
ver_noticia.aspx?CodNoticia=4054

Leão Lobão disse...

andré disse:
"...O Txotxa dormiu no chão, o Philippe e eu na cama de casal – sem piadas, por favor..."

ok, divino!
Nós, fãs da Plebe Rude, já aceitamos que o casamento de vcs dois não compromete a música que vcs fazem!
ahahahahahahahahah

só falta agora assumirem que o txotxa falava "Lasqueira" a cada vez que um de vcs o agarrava dormindo pela cintura durante a viagem, imaginando que ele fosse sua respectiva cara-metade!
que situação!

Black disse...

Com relação à cama de casal, eu até ia tentar fazer alguma piada, mas cada vez que penso na cena, chego à conclusão de que nenhuma piada superaria a vida real!!!!

PS. Cá pra nós, dividir cama com macho ou ficar das 3 até 5 acordado, tendo TV no quarto não era para haver dúvidas...

Tom Leão Lobo disse...

ou o trauma da viagem despertou as libélulas-bailarinas que existiam encubadas dentro de cada um deles ou então isso é desculpa deles para a nova guinada musical da plebe rude, fase right said fred revisited!

o clement até já depilou o cocuruto pra ficar bem de acordo com o segmento "i'm too sexy for my cat..."! ahahahahahahahah

os caras da equipe resolveram até a voltar de jegue em vez de encararem os pombinhos no avião róseo da volta! comédia!

Anônimo disse...

hahahahahahahaha
Já to vendo a hora que o Divino vai mandar todo mundo aqui se fuder!

Noway José disse...

"Na hora do banho, outro problema: sendo um quarto duplo, o terceiro ficaria sem toalha ou usaria uma molhada. Não fui eu!"

Conferiu se não haviam pentelhos no sabonete?

Noway José disse...

Caralho!
Segundo eremilton, rolou até bola de fogo em Baurú.

Produção disse...

Desculpe o imprevisto. Essas coisas acontecem.

Para recompensa-los, agendamos uma turnê exclusiva na Bolivia

F3rnando disse...

André, sou solidário a vc. Já estive nessa mesmíssima situação, só troca os personagens e a cidade. "There's no bussiness like showbussiness".

Daniel disse...

Mais Plebe que isso tudo, impossível!

clemente disse...

Poxa, nunca vi viajem mais emocionante, nem na época que eu tocava no Restos de Nada em 1978, hahahahahaha! Só faltou atropelarmos uma vaca no meio do caminho hahahahahaha!

Dá-lhe Andrezão!

André Nascimento disse...

é o famoso pague para entrar-e-reze para sair esse ônibus..

Luciano Vandalo disse...

E PRA RIR OU PRA CHORAR COM ESSA HISTORIA ANDRE !??

Ricardo Cachorrão disse...

KCT... SHOW DE HORROR ESSA TRIP! hahahahaha

[]'s

Anônimo disse...

Putzzz...André, lembra o Vlá que bem pertinho de Bauru encontra-se a solução para os problemas..rsrs
Bj! - Keila (Botuca)