quarta-feira, janeiro 04, 2006

McLaren, o Rei dos Reis!


Acabei de ler England’s Dreaming – Anarchy, Sex Pistols, Punk Rock and Beyond, do Jon Savage, livro que conta a história do surgimento do punk, concentrando-se nos Sex Pistols. O autor vai fundo em suas considerações, chegando a um nível até acadêmico nas considerações históricas e sociais. São mais de 500 páginas. Se você souber ler bem inglês, recomendo – e muito.

O que ficou claro para mim é o seguinte: a banda definitiva punk, quem inventou isso tudo, quem teve a idéia foi os Sex Pistols. Tudo bem, você pode falar: prefiro Clash, gosto de Ramones, mas te digo logo que está sendo míope. Está pensando só musicalmente. Os Pistols foram tudo, menos uma banda típica de rock n roll. Pelo contrário, foram concebidos pelo Malcom McLaren para destruir o rock n roll. Nunca tinha dado muita bola para esse empresário, mas ele e sua mulher, hoje a famosa estilista Viviene Westwood, pesquisaram sobre anarquistas, situacionistas e outros que nadam contra a maré para fazer a banda. Foram anos refinando o conceito. Primeiro ele tentou aplicar no New York Dolls, mas eles estavam muito inseridos no sistema para poderem ser uma ferramenta destrutiva da indústria musical. Foi quando voltou para Londres e montou os Pistols.

O John Lydon, quando sai da banda após a maravilhosa turnê americana por cidades por onde não passam grandes bandas, diz que sai porquê a banda se tornou uma típica banda de rock, coisa que não era para ser. O Clash, Ramones e outros queriam ser considerados músicos sérios, dar shows, gravar discos. Os Pistols não. Queriam ser uma ameaça – e durante muito tempo foram. Quando chegaram nos EUA, só para se ter uma idéia, foi montado um esquema imenso para que não conseguissem passar a sua mensagem para a população. Rádios, TVs e até a Casa Branca de Carter se empenharam nisso – e não é teoria da conspiração, está documentado.

O que a banda conseguiu fazer em 1977 na Inglaterra está muito além do que qualquer outra banda de rock tenha feito. Eles aterrorizaram uma nação! Eram banidos de se apresentar em qualquer lugar. Eram perseguidos. Mudaram o jeito de uma geração inteira pensar. Forçaram as gravadoras a se reinventar. Abriram as comportas para os selos independentes, para a música alternativa. O conceito foi além de musical, envolvendo roupas, fotografia, literatura, arte. Deram o golpe em duas gravadoras, saindo com dinheiro de rescisão de contrato na mão. Hoje, sou fã do Malcom McLaren, ele tinha a visão! Cash from Caos! Pena que no final, o Steve Jones, Paul Cook e Sid Vicious decidiram assumir que eram músicos e a banda teve o fim que mereceu.

11 comentários:

Henrique Alencar disse...

Prefiro os Pistols, ao Ramones, sei láh, o Vocal tem a raiva na voz, os Ramones também são legais, mas o lance deles era meio diferente, como garotas etc, eles não incomodavam como os Pistols!!!
Acho que o movimento punk do EUA e bem diferente do que o do UK, o do UK, é mais revoltado, com bandas como GBH, Discharge, Varukers!!!
*Acho que da até pra comparar o Punk de Sampa e o Punk de Brasília, com o Punk dos EUA com o punk do UK, são diferentes !!!

É legal essa diferença, pois não cai na mesmice !!!

Pedro disse...

O Sex Pistols foi uma espécie de Menudo punk. As músicas são boas, mas algumas letras são muito caricatuais. Sid Vicious, infelizmente, era um bundão. Apesar disso, gosto do que o Pistols fez e é de grande mérito. Steve Jones é um dos meus grandes ídolos.
Mas não dá mais para escutar...

André X disse...

Pedro, não analise os pistols musicalmente. Eles foram o vírus no sistema, a sujeira na máquina. Para o presidente dos EUA dar uma ordem de não deixar o punk proliferar no país, devem ter tido muito impacto. Musica é para frouxos, atitude é para heróis.

João disse...

Tinha muito tempo que nao escutava os Pistols. Peguei aquele CD que é uma coletanea com todas as musicas do disco lancado e de lados B e covers. Primeiro: notem como no Never Mind a guitarra nunca para, nâo há qualquer intervalo para a guitarra. Segundo: as covers e lados B são excelentes.

André X, acabei de ler o "Miso Soup". Legal a tensao do japones em descobrir se o americano é realmente quem ele está pensando quem ele é.

Marcelo BSB disse...

Putz...concordo..que a atitude é mais que meio caminho andado...mas os Pistols eram foda musicalmente...a mistura da música com atitude deixava tudo muito foda...acho que até hoje não tem coisa igual a Pistols....Depois veio P.I.L - muito foda...sem essa de bundão...Sid Vicius era muito mais foda que vc Pedro..rarararara vc que é bundão..rararararara, sem querer ofender...talvez vc seja um bundão legal....rsrsrs

André X disse...

Fala, João! Fiquei satisfeito que tenha pegado a dica e lido o livro. A cena do massacre na boate foi chocante para mim. Tive que parar de ler e ir até a janela ver o movimento no eixão - caralho! Imagine o filme!

Pedro disse...

Querido Marcelo, em nenhum momewto me comparei ao Sid. Desculpe, mas ele era realmente um bundão... e assim visto por muitos que o conheceram, principalmente em seus últimos tempos nos EUA. Dee Dee Ramone que o diga...
Adoro Pistols, mas antes tem Clash e Ramones...

Pedro G. disse...

André, pelo exercício saudável da discussão, aqui vai:
Com certeza, você sabe muito mais (e há muito mais tempo) sobre punk rock do que eu. Mas, sei lá, não concordo muito com os seus argumentos. Você diz que os Sex Pistols acabaram porque o Sid Vicious, o Paul Cook e o Steve Jones quiseram virar músicos de verdade.

De acordo com algumas coisas que li e alguns documentários que assisti, pareceu-me que a história não foi bem assim. O Malcom McLaren era um cara cheio de idéias, conceitos, mas isso nem sempre ia de acordo com o que os integrantes da banda pensavam. No final, o Johnny Rotten (ou John Lydon) já tava bem puto, inclusive, com o Malcom McLaren.
Além disso, apesar de concordar que explosão do punk se deu muito por conta do próprio McLaren, acho que tudo foi um processo, que começou em Nova York, e os Sex Pistols, de certa forma, significaram o estopim, o climax disso. Mas não sei se isso os faz ficar mais importantes do que as bandas restantes. Ele tiveram um papel importante na história, sim, mas não sei se foram os protagonistas.

Lendo aquele livro "Mate-me Por Favor", que conta a história do punk novaiorquino, eu pude ver o quanto o Malcom McLaren "sugou" idéias do punk americano e, por capricho do destino (e competência, também), estas idéias acabaram dando certo somente na Inglaterra. Nos EUA, os New York Dolls não se deram bem com ele como empresário porque achavam meio ridículo, entre outras coisas, o fato de ficarem usando roupas vermelhas, com bandeira da URSS atrás do palco. Os New York Dolls não se deram muito bem com o McLaren, na minha opinião, não por estarem inseridos no sistema, mas por serem mais velhos e acharem meio ridiculas aquelas imposições de marketing do Malcon McLaren. Além disso, eram uma banda "glam", por essência (e não punks, como se convencionou chamar depois), e os caras eram doidões demais (Johnny Thunders e Jerry Nolan eram mega junkies) para seguirem estes tipos de regras.

Querendo ou não, os Sex Pistols eram bem moleques quando o McLarem os arregimentou para montar uma banda. Na minha opinião, é como se as coisas acontecessem no momento certo, com as pessoas certas.
Aliás, para mim, uma prova disso é que, desde o fim dos Pistols, o Malcom McLaren nunca mais conseguiu emplacar nada relevante. Gravou alguns discos, apoiado na popularidade que ganhou na explosão do punk, mas nunca mais decolou. Se eles fosse tão genial, teria emplacado diversos artistas ao longo dos anos. E olha que ele tentou algumas vezes...

Na minha opinião, os Sex Pistols eram uma espécie de bomba feita para explodir rapidamente e não deixar mais muitos rastros depois de seu fim. É uma banda que, vendo de longe, dá para ver que não duraria muito tempo.

Em relação à herança extra-musical que a banda deixou, concordo que foi muito importante. Inclusive, por terem feito, pela primeira vez, tudo pelo avesso e terem se dado bem.

Neste ponto, é uma banda importantíssima, mas, mesmo assim, acho que eles estavam inseridos num processo que começou antes deles (com Stooges e MC5) e foi aprimorado depois (com Dead Kennedys e Minor Treat e, depois, pelos selos independentes americanos do 80's e 90's, por exemplo).

Era isso.
Abraços atleticanos.
PG

Claudio Lopes disse...

Esse Pedro G.,

Logo vi, cara, que você tinha algum problema. Desde seus comentários no "R ao contrário", desconfiei disso. "Abraços Atleticanos" - que coisa mais infeliz!!!

Um grande abraço e estou com saudades de você,

Claudio Lopes.

João disse...

André, por falar em filme, tem um oriental que é puro sexo & karatê, chamado Old Boy. Foi dos melhores do ano passado.

Sex Pistols, musicalmente, é anos-luz melhor que New York Dolls, MC5, Stooges, Ramones e Dead Kennedys.

Dênis disse...

Discordo. Musicalmente, Dead Kennedys é melhor do que todos os outros citados.