sexta-feira, maio 22, 2009

Um Sniff Sniff para Zé Rodrix


Ao contrário do Cazuza, meus heróis não morrem de overdose. Se vão por outros motivos. Hoje, o multiinstrumentista, multi-talentoso (compositor, cozinheiro, escritor, professor, publicitário) Zé Rodrix faleceu. Não vou nem me deter nas várias músicas emplacadas pelo Zé Rodrix nas décadas de 60s/70s, pois não ouvia Sá e Guarabyra, nem Elis Regina, nem Edu Lobo. A primeira vez que esse compositor chamou a minha atenção foi no Joelho de Porco, uma das únicas bandas nacionais que realmente me influenciaram (as outras que gosto são contemporâneas, não influências). Gostava dos seu escracho e como conseguia disfarçar músicas meio “progressivas” em canções punks (pelo menos punk 77, que é quando as águas se dividiram).

Mais do que tudo, Zé Rodrix era um plebeu. Em todas as entrevistas, mencionava a Plebe Rude. O Philippe e eu tínhamos um plano de, um dia, tocar com ele, talvez até compor alguma coisa. Não acontecerá.
Zé Rodrix, we salute you!

Sua discografia (sempre tem um pesquisador de músicas que vai atrás!):
1968: Momento Quatro - com Momento Quatro (Philips)
1970: Som Imaginário - com Som Imaginário (Odeon)
1971: Passado, Presente & Futuro - com Sá, Rodrix & Guarabyra (Odeon)
1973: Terra - com Sá, Rodrix & Guarabyra (Odeon)
1973: I Acto (Odeon)
1974: Quem Sabe Sabe Quem Não Sabe Não Precisa Saber (Odeon)
1976: Soy Latino Americano (EMI-Odeon)
1976: O Esquadrão da Morte - Trilha Sonora do Filme (RCA Victor)
1977: Quando Será? (EMI-Odeon)
1979: Hora Extra (EMI-Odeon)
1979: Sempre Livre (RCA Victor)
1983: Saqueando a Cidade - com Joelho de Porco (Lira Paulistana/Continental)
1988: 18 Anos Sem Sucesso - com Joelho de Porco (Eldorado)
2001: Outra Vez na Estrada - Ao Vivo - com Sá, Rodrix & Guarabyra (Som Livre)
2009: Amanhã - com Sá, Rodrix & Guarabyra (Som Livre)

9 comentários:

Anônimo disse...

Ele era ‘ô cara’.

Lembro uma vez que encontrei com ele em Ouro Preto, batemos um papo sobre o Joelho e sobre Sá & Guarabyra.
Putz! Quanto conhecimento em musica.

Vai deixar saudade.

André X disse...

Legal. Eu nunca o conheci pessoalmente, mas já mandei recados via conhecidos mútuos. Bacana o seu depoimento.

anonimo 2 disse...

Ainda há pouco, vi essa triste noticia na TV. Então vim aqui p/ dar o toque p/ X, pois sei que esse é um grande fã de Joelho de Porco.

Contudo, sempre bem informado e ativo, X já havia postado a respeito dessa lastimável perda.

Que Zé Rodrix descanse em paz. Esse era um homem simples e trabalhador, um grande poeta da música. Foi um cara respeitado em todas as praias, respeitados até por punks e rockeiros.

Rafael Martins disse...

Como ja dizia Renato Russo na música Love in the afternoon, é tão estranho os bons morrem jovens.
os bons morrem antes.

dg disse...

acho que na trilha do filme meu nome não é johnny,
tem música dele.
existem personalidades que não tem o credito que merecem, a mídia é muito ingrata e malvada, em determinado momento usam muito aquelas informações e logo depois, nunca mais se ouve falar.
me lembro do joelho de porco e de sá, guarabira e rodrix,(parecem meio hippies)e recentemente de um "relançamento" de uma musica meio on the road, sobre motos e estradas, sei lá!
histórias da cultura rock´n roll no brasil.

dunha disse...

meu pai tem discos do sa, rodrix e guarabyra!

o famoso rock rural!

dg disse...

o nome da música, que citei, é jesus numa moto:

"Eu vou virar a própria mesa,
Quero uivar numa nova alcatéia,
Vou meter um "marlon brando" nas idéias,
E sair por aí,
Prá ser jesus numa moto,
Che guevara dos acostamentos,
Bob dylan numa antiga foto,
Cassius clay antes dos tratamentos,
John lennon de outras estradas,
Easy rider, dúvida e eclipse,
São tomé das letras apagadas,
E arcanjo gabriel sem apocalipse..."

Anônimo disse...

Ele era mais, sempre mais.
Conseguia anteceder o pensamento progressivo, as instancias todas...
Era hiper e sabia disso...
Um genio.
Eu o conheci e convivi. Tive essa sorte imensa.
Ele surpreendia a cada minuto.

F3rnando disse...

Sem contar que Zé Rodrix também foi da banda de apoio e fez vários arranjos pro antológico disco dos Secos & Molhados (1973).