quarta-feira, março 18, 2009

Ontem = Hoje?


Vejam que atual a declaração do Bakunim. Vem à mente países como Equador, Venezuela, Bolívia e, porque não, Brasil? Os anarquistas históricamente sempre foram sacaneados pelos comunistas. Entregues às forças do Gereralíssimo Franco, na Espanha, expulsos das manifestações de 68, em Paris, mortos nas barricadas de Roma. A richa era sempre a mesma: mostravam aos esquerdistas que, quando tomassem o poder, seriam a nova elite.

7 comentários:

Anônimo disse...

Pois é X,

Acho que o povo nunca governará porra nenhuma. Sempre será governado.

zé mendes disse...

Quem sabe, no seculo que vem, a anarquia possa ser viabilizada pela tecnologia da informação.

No lugar dos politicos, o proprio povo se faria representar diretamente, via network.

Isso seria um governo eletronico interativo, com o proprio povo debatendo e votando as leis, sem intermediários.

O congresso então seria um grande "server", onde todos os cidadãos ficariam conectados, participando e trabalhando pelos seus proprios interesses.

dunha disse...

Acho que o povo nunca governará porra nenhuma. Sempre será governado.



concordo com isso!

Elizabete disse...

Muito bom o texto do anarquista e é engraçado como coisas ditas a tanto tempo podem ser validas ainda.
Tem um texto do Lima Barreto de 1915 que faz um critica bem legal e que poderia ser dito por qualquer um hoje,que diz:
O Manifesto
Eu também sou canditato a deputado.Nada mais justo.
Primeiro:eu não pretendo fazer coisa nenhuma pela Pátria,pela fámilia, pela humanidade.
Um deputado que quisesse fazer qualquer coisa dessas ver-se-ia bambo, pois teria, certamente os duzentos e tanto espíritos dos seus colegas contra ele.
Contra as suas idéias levantar-se-iam duas centenas de pessoas do mais profundo bom senso.
Assim, para poder fazer alguma coisa útil, não farei coisa alguma, a não ser receber o subsídio.
Eis aí em que vai consistir o máximo da minha ação parlamentar, caso o preclaro eleitoral sufrague o meu nome nas urnas.
Recebendo os três contos mensais,darei mais conforto à mulher e aos filhos, ficando mais generoso nas facadas aos amigos.
Desde que minha mulher e os meus filhos passem melhor de cama, mesa e roupas, a humanidade ganha, sendo eles parcelas da humanidade, a sua situação melhorando, essa melhoria reflete sobre o todo de que fazem parte.
Concordarão os nossos leitores e prováveis eleitores que o meu propósito é lógico e as razões apontadas para justificar a minha candidatura são bastante ponderosas.
De resto, acresce que nada sei da história social, política e intelectual do país;que nada sei da sua geografia;que nada entendo de ciências sociais e próximas, para que o nobre eleitorado veja que vou dar um excelente deputado.

Anônimo disse...

Eu acho que aqui é um espaço para discutimos coisas construtivas. Não precisamos atacar um ao outro.

Viva a Plebe!

Dinho disse...

Du Caralhoooooooooooooooooooo!

André X disse...

Elizabeth, muito bom o texto, eu não conhecia, nada mudou, infelizmente.