terça-feira, dezembro 30, 2008

Philippe e Opala, 40 anos de história.


Há quarenta anos atrás, a GM lançava o Opala no Brasil. Lendo essa notícia, me veio o flashback da época que o Philippe, no auge dos seus 14 anos, rodava as ruas semi-iluminadas do Plano Piloto no Opalão branco de sua família. Fazia isso atrás do volante, com o som no máximo tocando Carpetts ou XTC ou Van Halen (urg!), com uma garrafa de Sangue de Boi gelada. Geralmente era a fonte de carona para todo o pessoal da tchurma que morava na Asa Norte ou Lago Norte. E isso ele explorava bem, geralmente com a frase: “com a chave na mão, ninguém lhe diz não”!

Imagine só, fim de noite no Gilbertinho, 1984. Lá pelas tantas da madrugada, o Philippe decidia voltar para casa. Era a chance dos nortistas conseguirem dormir em casa (em Brasília, não existe transporte público). O Opala branco saia lotado. O Philippe no volante, geralmente o Bernardo (Escola de Escândalos) no banco do co-piloto, Loro (Capital), Geraldo (Escola), Rogério (Elite Sofisticada), entre outros enfiados onde dava. Já vi o carro com quatro pessoas na frente e uns seis atrás.

Para descer nas respectivas paradas, o caronista tinha que rezar um mantra: “eu sou um carro de bombeiro, todo vermelho, com vinte homens trepados em cima, gritando píru-píru-píru”. O Philippe era sádico, enquanto a pessoa não se humilhava entoando o mantra, o carro não parava. Teve uma vez que o Rogério salto do carro em movimento, se recusando a recitar esse simples poema.

O Opala era também uma festa móvel. Quando não existia programa, íamos para a beira do Lago Paranoá (naquela época, inabitado e sem invasão pelos bacanas do Lago Sul), colocávamos o som no máximo, abríamos umas garrafas de vinho e era a tchurma se socializando no máximo.

Eu, com meu TL branco, era outra fonte de carona, mas não ficava até tardão, geralmente porque namorava e seguia o lema de que dois é bom, três é demais e uma galera é derrota total.

Hoje, o Philippe não dirige mais. As ruas estão mais seguras, mas menos divertidas.

12 comentários:

Eduardo disse...

Ola X, cara to viciado em 2 musicas do R ao contrario, que são Suficiente por um dia ou dois e Katarina, X faz algum comentario sobre elas. Valeu até mais.

cibernei da cunha disse...

Por que Phiphi não dirige mais?

-Gastou tudo no estudio e ficou sem grana para comprar outro carro?

-Foi reprovado no exame de vista e se recusa a usar oculos?

-Teve a carteira cassada depois de fazer merda?

-Simplesmente perdeu a vontade de dirigir?

Danilo Rafael disse...

Euduardo sou um viciado pela essas duas músicas da banda, queria que a banda tocasse "Katarina" em seus shows, ela é sobre a nossa geração.
Ela é uma das minhas preferidas.

DR

Daniel Farinha disse...

Brasília mudou... bastante...

Prosperidade para todos no próximo ano...

Abraços,

Daniel Farinha - Plebe na pele

Elizabete disse...

Também adoro Katarina,assim que comprei o disco foi uma das músicas que ficou para repetir por alguns dias...
Feliz ano Novo...

Anônimo disse...

Tb gosto dessas duas músicas.
São as minhas preferidas do "R ao Contrário" também e o que existe de maior novidade no som da Plebe Rude.

Grande abs a todos
Anoni

zé mendes disse...

Tambem fui fonte de carona. Me exploraram muito.

O meu vinho gelado era o "Chapinha", comprado no posto da 307sul. Era mais barato que o "Sangue de Boi" da Adega.

dg disse...

Oi X,
- passei deixar um cumprimento de ano novo e notei que este natal não teve peru...nem vou perguntar o que aconteceu!!!!
- queria aproveitar para agradecer por aquela exclusiva do SLU, em um "post passado";
- dizer que, pelo que li neste post,também acho que andar com uma galera queima filme dessas, é para espantar a freguesia...hahahahahahaha!!!
- e que em 2009, espero que a PR continue com uma agenda tão intensa, quanto foi em 2008.

fernando disse...

Li algo sobre esta estória no livro do Paulo marchetti.
O Phillipe era um fora da lei, pois com 14 anos, não pode dirigir.
É legal recordar o passado, notando que houve mudanças no seu ser, pois aqueles que insistem em não amadurecer, tornam-se vítimas da famigerada crise de Peter Pan.

Anônimo disse...

Se Iggy Pop é sinônimo de Peter Pan, envelheçamos todos nós! Amém!

Seriedade compulsória é o fim da picada!

abs

Aristóteles disse...

Se o Phiphi não dirige mais e atualmente existe a Lei Seca, isso faz de Seabra um manguaceiro de marca maior?

Paulo Henrique disse...

Feliz ano novo pra todos e que o exame de motorista fique mais acessível pra evitar que mais Phillipes Seabras sejam foras-da-lei hahahahahahahaha