sábado, novembro 25, 2006

Sabado em Pompeia.

O show de ontem, sexta-feira, no Sesc Pompéia foi o melhor da turnê até o momento. Tinha tudo para dar errado, subimos ao palco num stress fudido, sem ter passado som, famintos e exaustos fisicamente e emocionalmente. Mas, por incrível que pareça, são nessas condições adversas que a Plebe melhor atua, superando os obstáculos, vencendo o desafio.

Chegamos às 6 da manhã no aeroporto de Brasília, vôo para Guarulhos estava previsto para decolar na hora certa. Tínhamos conseguido escapar do apagão aéreo, nosso principal risco para o sucesso da viagem. Philippe, Txotxa e eu chegamos em solos paulistanos na hora certa, sem atrasos, mas quando saímos pelo portão de desembarque, não havia ninguém segurando uma placa escrito Plebe Rude. Ligamos para o Ivan, que estava vindo de carro do Rio, com o Felipão. Era para o motorista estar lá! Esperamos, esperamos, esperamos.

O Txotxa foi abordado por um senhor, que poderia ter saído de um conto sobre o Lampião, perguntando se a gente era o João Carlos que estava indo para a Rádio Excelsior. Ele respondeu que não. Horas depois o sujeito volta e pergunta se o Txotxa tinha certeza que não éramos nós. Quando ele mostra a plaquinha, dobrada em sua mão, lemos: João Carlo Paleberude. Porra, somos nós! Só que não tem nenhum João Carlos, nem queremos ir para a Excelsior! O sujeito ainda tinha o numero do vôo errado! E se tivesse com a placa exposta, invés de debaixo do sovaco, teria poupado muito trabalho.

Nisso, não havíamos tomado café, tirando o lanchinho mingúe servido na Gol. E lá vamos nós, a zero por hora, passando por um engarrafamento monstro, num calor demoníaco, para a CBN. Claro, chegamos atrasados. O Clemente já tinha gravado sua parte e nos aguardava entediado. Fazemos uma entrevista sensacional para o Sala de Musica, e vamos voando para o Play TV. A caminho, descobrimos que o Felipao tinha passado mal e estava internado no Hospital das Clínicas, com suspeita de problemas renais.

A Plebe viaja com uma equipe reduzida de duas pessoas, a fim de tornar nosso show mais barato e conseguirmos viabilizar para contratantes de lugares menores, tipo Nazaré das Farinhas. O Felipão é parte vital dessa dupla, pois cuida das guitarras e solta os samplers. Sem ele, o Júnior fica sozinho, tornando montar e desmontar o palco, e ainda monitorar o show, uma tarefa herculana. E ainda seriam três shows em dois dias! Alem de, claro, estarmos preocupados com a saúde de nosso amigo. E ainda, o Júnior e o Vlad estavam ainda no Rio com o equipamento. Seu vôo atrasado, vitima da operação padrão dos controladores aéreos. Não vai dar para passar som.

Não dava para almoçar. Cumprimos nossa jornada de entrevistas e chegamos no hotel na hora de sair para o Sesc. Um banho rápido, nada de comer, e vamos nós! Chegando lá, pensando em comer um sanduba, pelo menos, somos informados sobre outra equipe de TV que nos aguardava. Outra entrevista, da qual saímos direto para o palco.

Nisso, aparece o Felipão, bem melhor. Era nervo ciático, não rins. Mas não vai poder pegar peso. Está sendo substituído pelo roadie do Clemente, seu cunhado Tiago.

E o show foi incrível. Uma platéia vibrante, com as letras novas e velhas na ponta da língua. O Fê estava na platéia e subiu para tocar Voto em Branco, música que não estava no set list. Vamos aos dois de hoje!

8 comentários:

Aleks (Yagami) disse...

Ao meste X

Que show, a Plebe tem um diferencial no palco, a sua interação com o público.
Já conhecia o Cd novo de trás ´ra frente, e estava louco pra ver vcs tocando essas músicas, se bem que queria ver Remota Possibilidade, mas o Phillipe falou que não vai rolar hoje.
Fiquei bem na frente, com muitas vezes o Clemente e o Seabra solando na minha frente, mas o melhor veio no final.
Acabando Até quando esperar vc André veio e me entregou o baixo, fiquei sem saber o que fazer, pensei em pendurar e sair tocando, mas fiquei com medo da galera vir em cima e danificar o surfista prateado. Então o levantei pra galera e o devolvi, mas não antes de tocar a introdução de Até quando esperar.

Muito obrigado Mestre X

Marcelo Éboli disse...

Ontem foi demais mesmo! Cheguei no Sesc por volta das 18:30 e ainda não tinha ninguém. Até a entrada do Banzé (banda que abriu) estava meio vazio a Choperia do Sesc.....foi enchendo aos poucos....o Banzé parecia que estava tocando a umas 3 horas....mas a culpa mesmo era da minha ansiedade em ver a Plebe tocando ao vivo novamente. Uma coisa legal é que os caras disseram que a Plebe era uma influência para eles. Após o show, o vocalista e guitarrista do Banzé ficou do meu lado na platéia e o cara cantou todas as músicas, inclusive as novas...acho que ele é um Plebeu mesmo rere...não fez média não.
Txotxa entrou primeiro e começou a tocar a introdução de R ao Contrário na bateria, primeira música do show...putz..que foda...logo em seguida a banda emendou Brasília...Jhonny vai a Guerra.....A banda me pareceu ótima. O Clemente não esqueceu as letras rsrsrs...e esta muito entrosado com a banda esta impecável. As músicas novas a galera já sábia de cor...Fe Lemos (Capital Inicial) estava no meio da galera...subiu ao palco para tocar Voto em Branco. Como o André disse, eles deveriam estar pregados de cansaço, mas a banda exalou energia no palco. Ele foi ao microfone e disse que esse show até o momento tinha sido o melhor da turne do R ao contrário...e isso se via em toda a banda...a vontade de tocar, muita energia. Ficou faltando Panico em SP que estava no list do show, escrito no chão...Falei com o Clemente no final do show, o cara sempre muito gente boa, atendeu a todos... disse que a maratona de hoje vai ser dura...ele vai fazer um show com Os Inocentes hoje no bairro do Limão a tarde (gratuito) e os 2 da Plebe a noite (Pompéia e Kazebre. Cheguei em casa e já me deu saudades do show, hoje vou de novo!!!PARABÉNS MR X. FOI MUITO BOM!

Igor disse...

Vou no de Hoje, espero que vocês façam um ótimo show assim como o de sexta.

E toquem "Mentiras por enquanto"!!!

Flw.

Beto Carnevale disse...

Fala Andre
Bom apesar de um dia infernal a Plebe mostrou como se toca ao vivo. Voces continuam sendo a melhor banda do Brasil e ao vivo entao nem se fala....Hj to la de novo para conferir....

Marcelo Clemer disse...

E aí André, beleza??

Estive ontem lá no SESC com minha mulher, bem perto do palco, e pudemos ver como é fazer rock de verdade!! Ela que sempre foi fã do Clemente, agora está tbém. virando uma plebéia, talvez de tanto escutar em casa, no carro, etc...
E eu, que tbém. faço "um som" com minha banda, gostei muito de sua "performance" em VOTO EM BRANCO. Vc. deveria cantar mais!!
OBRIGADO e Parabéns pela volta da melhor e mais honesta banda do rock brasileiro!!!
P.S.: BOM DESCANSO !(merecido)
“AHA, UHU, A PLEBE TÁ DE VOLTA!"

Janaina disse...

Olha mesmo antes de saber de tudo isso já tinha achado o show sen-sa-ci-o-nal... e olha que atravessei a cidade a milhão (se fui multada vou mandar a mesma p vcs sem dúvida!) e cheguei qdo vcs estavam pisando no palco.
Dancei muito. Cantei pra caralho. Tirei muitas fotos.
Desejo a vcs toda a sorte!!!

Janaina disse...

vou publicar algumas fotos no meu blog
www.loislaneid.blogspot.com

MIZAEL EMAKULADO disse...

VIDA LONGA A PLEBE
SEXTA FOI INESQUECIVEL P/ MIM
ASSISTI O SHOW COLADO NO PALCO E AINDA DEPOIS CONSEGUI IR NO CAMARIM .......DE MAIS
ANDRE E PHILIPPE MUITO ATENCIOSOS.
MUITO OBRIGADO PLEBE.