sexta-feira, junho 30, 2006

Plebe marcando presença na história de Brasília.

Meu avô materno, Brasil Pinheiro Machado, um político experiente da velha guarda, sempre falava que seu maior medo era ter uma rua ou praça batizada com seu nome, pois isso significaria que já estaria velho demais para a política. Seria uma espécie de aposentadoria forçada. Lembrei-me disso, hoje, quando vi a foto da Plebe na revista que veio encartada no Correio Braziliense de hoje, sexta-feira, 30 de junho. Conta um pouco da história de Brasília e éis que encontro um trio sorridente: Philippe Seabra, Gutje e eu. Bacana a homenagem, tenho certeza que, nesse caso, significa uma volta às atividade e não uma sumida de cena.

Essa foto foi tirada dias antes da volta, em 2000, para o Porão do Rock, que resultou na decisão de gravar o CD ao vivo. Nessa ocasião, ainda não sabíamos se o Jander iria participar ou não, por isso ele não está na foto (deveria estar!). Ele chegou horas antes do show, para grande alívio nosso.

11 comentários:

Anônimo disse...

Cadê a foto?

Eduardo disse...

Caro André X,

Estou sempre espiando o seu blog, que aliás é excelente.

O que me traz ao post, é que ouvi rumores de que a Plebe vai tocar aqui em Curitiba...existe algo de concreto nesta história?

A propósito, lembro de quando vocês tocaram aqui em 1989 na Pedreira Paulo Leminski ao lado dos Inocentes e do Gueto. Vocês tocaram um cover do UB40 e a Aurora, ainda inédita na época. Eu tenho a gravação da transmissão da rádio. Que show legal!

Não tenho certeza, mas acho que vocês tocaram aqui na tour do Mais Raiva e só...é isso mesmo?
[]s
Eduardo

José de Arimathéa disse...

Como todos os Fâns da Plebe que a acompanha...

...Aha, uhu... a Plebe está de volta!!!

...e o novo albúm? André, Diablo X???

Zezão Plebeu

Fábio disse...

Só espero que ao contrário do seu avô você veja isso como um incentivo.

No mais, viva a Plebe !

Fábio disse...

ops faltou essa.

Hoje eu me surpreendi com uma coisa e achei interessante registrar aqui.

É o seguinte. Em novembro do ano passado eu baixei a gravação do show da Plebe no Rock in Rio III e gravei num MP3 player que eu ouço no busão quando vou pra aula.

Hoje eu reparei que escuto esse show TODOS os dias da semana, sem exceção, desde novembro de 2005 (7 pra 8 meses) e não me canso.

Sinistro, muito sinistro. Fiquei assutado

Anônimo disse...

André..
Fale-nos depois em um outro post, como foram aqueles shows do projeto "Temporadas Populares" em janeiro de 2001. Estive a oportunidade de estar presente em duas apresentações (Núcleo Bandeirante e no Teatro Nacional)a de São Sebastião não deu p/ ir.
Conte um pouco na visão dos bastidores...
Sucesso sempre!!

F. S. Júnior disse...

Claro que o Clemente é uma lenda viva, como diz o Philipe, do Movimento Punk no Brasil, não há o que discutir, ele soma ainda mais ao trabalho da Plebe, mas não há como negar também que, a voz marcante do Jander ao lado da voz do Seabra faz uma baita falta... contudo, se assim não fosse, não estaríamos vivendo a expectativa de um trabalho inédito da Plebe, que de fato é uma lenda viva do Rock Nacional e da história de Brasília que, não pudia fugir da sua concepção moderna, cuja cultura se remete ao presente.

Gabriel disse...

ANDRE!!!!MANDA ATUALIZAREM O SITE OFICIAL!!!!ABRAÇO!!!!

rafael disse...

Quando vocês vem em São Luís?
Vocês já tocaram aqui alguma vez?

Paulo Henrique disse...

ADEUS HEXA! BEM VINDO AO MUNDO REAL BRASIL!!!

CÍCERO disse...

SE NÃO ME ENGANO EU POSSUO ESSA FOTO,ALIAS TENHO TUDO DA ÉPOCA EM QUE A FORMAÇÃO ORIGINAL VOLTOU.
- O GUTJE CHEGOU ATRASADO NESSA SESSÃO DE FOTOS ???